REVISTA ITEM - 99

Editorial - A CADA DESAFIO, MAIORES AS OPORTUNIDADES

A regulamentação da Lei 12.787, que institui a Política Nacional de Irrigação, tem bons desafios para descortinar novas oportunidades. Diante esse fato, foi muito alvissareira a ativa participação dos membros da comissão interministerial no XXIII Conird.

Nas Ciências Agrárias, há um fundamento bastante instigante, cujo alcance é enorme: o das boas práticas que assegurem cada gota d’água que cai em cada propriedade. A nota 10 é para aquele que maneja sabiamente seus recursos para maximizar a infiltração das águas e a recarga dos aquíferos. Mas como a intensidade das chuvas não guarda correlação com a velocidade de infiltração básica, os bons princípios da conservação do solo e da água, são fundamentais. Nesse bojo, o caminho de guardar a água com investimentos em pequenas e médias barragens é estratégico. Está justamente no espaço do produtor essa capacidade de coletar as chuvas e fazê-las cada vez mais produtivas ao longo do ano. Na prática, já existem exemplos de empreendimentos com décadas de existência e resultados muito auspiciosos. Mirar nesses projetos bem concebidos e ao alcance dos produtores, independente do porte, é uma das formas de perseguir bons trabalhos de reservação das águas.

É o trabalho de formiguinha que, benfeito, em conjunto com outras boas práticas, é funda-mental para regular o fluxo hídrico ao longo do ano, funcionando como amortecedor, seja para mitigar efeitos das enchentes, seja para melhor atender aos múltiplos usos da água nos transtornos das secas. Dos dois lados, as perversas perdas e os inevitáveis conflitos. Ter capacidade de segurar a água, evitando-se erosões e enchentes à jusante, é o melhor dos mundos. Um aparato dessas represas, com os devidos estudos para um equilibrado e sábio uso da água ao longo do ano, atendendo a todos, vai sempre requerer mais pesquisas, mais conhecimentos, aprimorando-se o que já existe e fomentando-se bons projetos.

O Brasil tem diversas vantagens comparativas para o desenvolvimento da agricultura irrigada. O valor de cada metro cúbico de água que passa pelas plantas para funções vitais, como a de produção de alimentos, da melhor segurança alimentar, a maior garantia do bem-estar das populações e a ampliação de oportunidade de melhores negócios, configura-se como sábio investimento em favor de toda a sociedade.

Esta edição da ITEM, com resultados dos trabalhos encetados em 2013, na parceria com a Bahia e o foco na região Oeste desse Estado, tem relevantes contribuições e referências para que se aquilate a importância da reservação das águas e o alcance da agricultura irrigada para impulsionar o desenvolvimento dos produtores, desde aquele considerado abaixo da linha da pobreza, até os conglomerados dos mais diversos portes, passando pelos interesses do desenvolvimento municipal, regional, estadual e nacional.

O Brasil requer uma política de Estado com esta visão holística sobre essa necessidade de reservação das águas, sem a qual, as perdas serão sempre muito dolorosas. A mobilização de esforços com vistas a conjugar as boas práticas na gestão das bacias hidrográficas, incluindo-se a de construção de represas de pequeno e médio porte, tem seus desafios, mas é um aliciante empreendimento para a prosperidade de todos.



Helvecio Mattana Saturnino
Presidente da Abid