REVISTA ITEM - 87

Editorial - AGRICULTURA IRRIGADA, UMA BOA SOLUÇÃO

Em uma ponta, com a constatação de que a fome atinge mais que 30% da população brasileira, o primeiro grande alerta: terminar com a pobreza é preciso, é prioritário, enfatizou a presidente Dilma Rousseff assim que eleita. No mundo, após um consistente declínio de mais de 20 anos, partindo-se de 16% de subnutridos da população e chegando-se aos 13% em 2003-2005, uma perversa reversão: com a crise econômica, a estimativa da FAO de um bilhão de subnutridos – a “crise silenciosa da fome”.

Em outra ponta, a qualidade nutricional e o poder aquisitivo. Tendo como referência o consumo individual de menos de 1.800 calorias/dia como subnutrição, vêm à tona também a quantidade de consumo e os hábitos alimentares. Uma geografia das desigualdades, sendo que os gastos para contornar os malefícios dos excessos já constituem problemas quase insolúveis para muitos que podem comer o que querem. Ruim para os famintos e uma amarga conta para os fartamente saciados.

Diversos fóruns internacionais sinalizam para a necessidade de os países em desenvolvimento duplicarem suas colheitas de alimentos até 2050, quando se estima uma população mundial de 9,2 bilhões de habitantes. Nesse cenário, vale refletir também sobre o quanto será preciso fazer em maior harmonia com a natureza, em segurança alimentar, energética e produção de fibras para os mais diversos fins.

A introdução da agricultura irrigada nas propriedades, com os sinergismos e complementaridades que se descortinam com outras atividades, sinaliza pela necessidade de gestões diferenciadas em diversos níveis. Da pequena unidade produtiva às macrodecisões do governo, essa tomada de decisões sinaliza ampliações de oportunidades de negócios e benefícios para toda a sociedade.

O investimento em programas integrados, que envolvam todos os agentes econômicos, ambientais e sociais relacionados com as cadeias produtivas e comerciais, calcadas na agricultura irrigada, configura-se como racional caminho para boas políticas. Há toda uma logística ao intensificar atividades por área ao longo do ano. São vários os requerimentos de mudanças técnicas e gerenciais, mas o Brasil já amealhou um considerável acervo de competências e equipamentos para proporcionar rápidas e boas respostas a esses desafios.

Uberaba, ao abrigar o XX Conird, faz enaltecer essas assertivas. Como parte da programação, atividades também no campo, com exemplos da enorme diversidade a ser devidamente explorada. A necessidade de produzir cada vez mais e melhor, com as boas práticas em atividades agrícolas e pecuárias, há de fazer cada vez mais evidente a importância da parceria anual que a ABID celebra com uma das unidades da Federação. A parceria de 2010 com Minas Gerais, agora no Cerrado, com muita cooperação, encontrou especiais parceiros para abraçar essa causa. Esta edição da ITEM, rica em interlocuções com várias lideranças políticas, cientistas, autoridade do governo, produtores, traz também marcantes reportagens. Entre elas, a do Seminário lançamento do NURII, junto a HidroEx, em Frutal, que ocorrerá em seguida ao XX Conird. Um feliz contínuo de atividades. Trata-se de uma iniciativa da Embrapa com a ANA, que se juntam ao governo mineiro, por intermédio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes-MG), para fazer florescer esse núcleo de apoio ao desenvolvimento da irrigação. A ABID, ao festejar esse acontecimento e mobilizar-se na participação dessa iniciativa, faz despertar o interesse para que possamos enriquecer as futuras edições da ITEM e as programações dos Conirds, com os resultados do NURII.



Helvecio Mattana Saturnino
Presidente da Abid