REVISTA ITEM - 74-75

Editorial - AGRICULTURA IRRIGADA NO SEMI-ÁRIDO

Semi-Árido tropical, único no mundo, mercado a sinalizar para várias oportunidades, sejam alimentos, fibras ou bioenergia, descortina-se assim um bom debate. Um debate com suporte em valioso e importante acervo de produtores, que merecem reconhecimento pelo pioneirismo e pela contribuição ao palmilharem novos caminhos, novos arranjos produtivos, certamente pagando altos pedágios pela ousadia, pelos erros e acertos, os quais hoje se constituem em bases para novos empreendimentos e avanços. Assim, há muito a comemorar e muito a ser devidamente discutido, analisado e apreendido com o tema do XVII Conird: Agricultura Irrigada no Semi-Árido.

Trata-se de uma rica programação, formulada sobre os trabalhos do Rio Grande do Norte, de Mossoró, onde a novel Universidade Federal do Semi-Árido representa a mobilização intelectual em favor dessa grande e desafiadora região brasileira, com suas desigualdades, pobreza e muitas oportunidades, levando à sociedade o desafio de reverter esse quadro. Assim, nada mais edificante que mobilizar esforços, convidando a todos para interlocuções sobre o que está nesta edição da revista ITEM, e fazer do XVII Conird uma oportunidade para muitas reflexões, debates e proposições, visando melhorar os negócios em torno do racional aproveitamento dos recursos hídricos.

A expectativa é de avanços, com a ampliação dos conhecimentos, com mais motivações e melhores fluidos em favor das cadeias produtivas/comerciais calcadas na agricultura irrigada. E é justamente no combate à pobreza e no aumento de oportunidades para o desenvolvimento socioeconômico, com sustentabilidade ambiental, que estudos do Banco Mundial evidenciam o quanto a agricultura irrigada pode fazer em prol dessa região do Semi-Árido brasileiro, convocando a todos para a implementação de planos municipais, estaduais, regionais e nacionais.

Assim, espera-se que desse embate saiam bons desdobramentos nesse sentido! O equilibrado uso dos recursos hídricos, com uma visão holística do quanto se pode fazer em prol da revitalização e conservação da água, para melhoria e garantia do fluxo hídrico ao longo do ano, é uma desafiadora agenda. Por meio dela pode-se fazer florescer mais empreendimentos calcados na agricultura irrigada, maior geração de riquezas e de empregos, inclusive conquistando gôndolas de supermercados alhures, trazendo fortes divisas para impulsionar negócios, como o exemplo do melão, em Mossoró. Trata-se de um dos ícones a ser devidamente apreciado no XVII Conird, com sua longa e vitoriosa história, a mostrar casos de explorações de águas subterrâneas e superficiais, fazendo desse agronegócio um diferencial, uma marca que merece muita admiração.

A gestão compartilhada de bacias hidrográficas, das águas subterrâneas, das integrações de recursos hídricos é um desafio para o melhor e maior aproveitamento das infra-estruturas existentes, considerando-se sempre os custos/benefícios dos empreendimentos.

Entre estes, está o do reúso de águas servidas, incluindo-se criteriosos projetos de utilização de esgotos urbanos, tendo a irrigação como parceira do saneamento e da revitalização dos corpos d’água.

Há grande oportunidade de melhores realizações, tendo a água como vetor de novos tempos, com seu sábio uso na agricultura irrigada. Pela demanda por mais serviços, com abertura e ampliação de empreendimentos, é difícil conceber outra atividade que abra postos de trabalho a custos tão convidativos. Que desse processo dialético surjam mais subsídios para implementações de boas políticas em favor do setor privado. O Semi-Árido merece e precisa dessa atenção!



Helvecio Mattana Saturnino
Presidente da Abid