REVISTA ITEM - 58

Editorial - O SEGREDO ESTÁ NA RECARGA

Quanto maior a recarga dos aqüíferos, melhor será a gestão compartilhada dos recursos hídricos, aumentando, assim, a disponibilidade de água para impulsionar e ampliar o círculo virtuoso da agricultura irrigada, gerando mais riqueza e empregos. A visão de uma agricultura depuradora e guardadora da água precisa ser permeada, cada vez mais, em todo o universo dessa agricultura, o qual é constituído pelas explorações dos reinos animal e vegetal, que compreende desde os empreendimentos com coberturas de pastagens, de florestas naturais e artificiais e de áreas agrícolas, com culturas perenes e temporárias, até as áreas de parques e jardins no meio urbano, controlando a erosão e as enchentes e guardando a água para melhor regularizar a oferta ao longo do ano. As outras ocupações do solo são de natureza impermeabilizante.

Estão em pauta a revitalização, a transposição, as retomadas de projetos inacabados, novos projetos, as engenharias financeiras, buscando-se parcerias entre o público e o privado. Enfim, tomando-se como exemplo o Velho Chico, tem-se instituído um condomínio em torno de suas águas, fazendo do Comitê dessa bacia o fórum legal para tratar de marcos regulatórios, com evidentes áreas de conflitos, clamando pela gestão que facilite e estimule o desenvolvimento socioeconômico, com uma irrigação bem planejada e devidamente ajustada aos recursos naturais e à capacidade dos produtores de cada bacia. Não é simplesmente um cartório, onde se registra um direito. A complexidade é muito maior e existem muitos implicadores nesse condomínio, principalmente o de capitalização em vários aspectos. Há necessidade de muita engenhosidade e desprendimento, para que os agentes econômicos pautem um equilibrado desenvolvimento, incluindo-se aí uma agenda que estimule e respalde os produtores a incrementarem criteriosos manejos na ocupação de suas áreas e na utilização dos recursos hídricos.

Assim, nada mais oportuno, para esta edição, que uma visão holística, tendo-se como foco a Bacia do Rio São Francisco, o estado da Bahia e a realização do XIII Conird, em Juazeiro, com matérias que suscitam reflexões sobre como estão evoluindo os trabalhos em torno desses momentosos assuntos, que despertam o interesse de todos, formando-se o desejável mutirão em favor da segurança alimentar e hídrica e de um desenvolvimento sustentável, com geração de renda e emprego.

O trato elaborado em favor da maior eficiência da irrigação, com o concurso do trabalho de produtores, de empresas de equipamentos de irrigação e da comunidade científica e tecnológica, é uma constante nas atividades da Abid, bem como nas edições da ITEM. A pesquisa agropecuária tem muitos desafios, sempre crescentes, exigindo-se os devidos ajustamentos nas relações solo-água-clima-planta-animalbiodiversidade, mutáveis pela natureza, pelo mercado e pela constante ação dos próprios cientistas, refinando conhecimentos e exigências, implicando no manejo da irrigação e na seleção do que explorar.

Paralelo a esse importante esforço em prol de produzir-se cada vez mais por unidade de água utilizada na irrigação, ao ver fluir para a foz a barrenta enchente e ver o conflito no momento da falta d’água, fica a pergunta: o que se pode fazer em favor da melhor recarga dos aqüíferos, para maior regularização do fluxo hídrico? Ou seja, como usuários, não há mais espaço para deixarmos escorrer por entre os dedos o que há de mais precioso. Portanto, convidamos a todos para essa permanente empreitada.



Helvecio Mattana Saturnino
Presidente da Abid