REVISTA ITEM - 54

Editorial - UMA OUSADIA NECESSÁRIA

Toda a cadeia dos agronegócios da agricultura irrigada está festejando o anúncio do Proirriga. Uma mobilização comandada pelo ministro Pratini de Moraes que, certamente, está vindo com todos os ingredientes para somar com os trabalhos em andamento e resgatar o ânimo dos produtores em favor da agricultura irrigada.

São mais empregos permanentes nas cadeias produtivas por unidade de água utilizada na irrigação, mais renda, segurança e prosperidade para o elo mais frágil: o produtor irrigante. Ao viabilizar-se o setor produtivo com financiamentos mais compatíveis, mesmo que ainda distantes do ideal nesse mercado globalizado, criase o ambiente para estimular os investimentos para melhor atender a logística requerida pelos agronegócios, exercitando-se os princípios básicos emanados dos estudos que propõem um novo modelo para a irrigação.

Nas cadeias da agricultura irrigada, estão as oportunidades de geração de empregos permanentes, a custos relativamente baixos. Há a abertura de muitos postos que comportam a ocupação de analfabetos, a exemplo dos trabalhos de seleção de produtos para exportação. Uma das mais dignas formas de alavancar a cidadania e a prosperidade, com divisas das exportações. Para dar suporte a essa assertiva, há um considerável acervo de trabalhos, seja no setor privado, seja sob a égide do governo, no Ministério da Integração Nacional, com o concurso da Codevasf, do DNOCS, bem como de diversas iniciativas dos governos estaduais, de muitos planos e programas do passado, e da P&D, com o concurso das universidades e do sistema de pesquisa liderado pela Embrapa.

Tendo-se os recursos hídricos como centro das atenções e fonte de capital e serviços, o agronegócio da agricultura irrigada tem na água a mola propulsora do desenvolvimento sustentável, que em muito extrapola a difícil e engenhosa atividade de produzir irrigando, para ganhar espaço no dia-a-dia de cada cidadão, proporcionando- lhe melhor qualidade de vida. Essa é a concepção moderna dos agronegócios, motivo de atenção daqueles que estão debruçados sobre o novo modelo de irrigação e sobre o Planird, cujo esboço já foi colocado na edição nº 51 da revista ITEM e que, a exemplo do que ocorreu no XI Conird, será novamente tratado em Uberlândia (MG), com suas evoluções e aprimoramentos, como mostra a reportagem desta edição. Assim, nada mais auspicioso do que a chegada do Proirriga, fazendo movimentar essa cadeia produtiva da agricultura irrigada em todo o Brasil.

Nesta edição da ITEM, procura-se retratar todo esse trabalho. Trata-se de um repensar, de uma forma de reordenar o acervo de experiências e trabalhos já colocados em prática, um novo modelo de conceber os negócios da irrigação, tendo-a não só como alavanca principal, mas entendendo as interligações com a visão do todo, para que da sinergia entre as partes logre-se um bom negócio em favor da prosperidade dos diversos elos das cadeias produtivas.

O Banco do Nordeste tem coordenado e fomentado esse trabalho em torno do novo modelo da irrigação, perseguindo essa formulação com base em estudos e experiências acumuladas, propiciando um rico processo dialético com diversos segmentos da sociedade. Ao editar esse número da revista ITEM, optou-se pela tarefa de captar a essência do que está em curso, enriquecendo esse processo com mais uma reportagem sobre as políticas da água, com o especial concurso da ANA. Uma edição que pretendemos ter bem viva ao ensejo do XII Conird, em Uberlândia.



Helvecio Mattana Saturnino
Presidente da Abid