A CAPA DA ITEM 115:

Com o belo símbolo do 8o Fórum Mundial da Água, conjugado com um gráfico de visão mundial da água, originário da FAO, The World’s Water Assessing the Resource, e retirado do livro “The Environment and Zero Tillage”, foi concebida a arte, um convite à leitura. Ao lado do editorial, compondo o verso da capa, uma logomarca que acompanha as itinerantes parcerias anuais da ABID pelo Brasil afora, desde a virada do milênio. Essa representação esquemática do ciclo hidrológico é especialmente cara para a ABID. Em 2017, com o Ceará, desenvolveu-se um trabalho cooperativo, com a realização de uma programação conjunta, para amalgamar muitos conhecimentos e práticos exemplos de empreendedorismos na agricultura irrigada. Assim, espera-se que esta ITEM 115 seja provocativa e tenha o condão de positivos desdobramentos.


UMA OPORTUNIDADE PARA EDIFICANTES AVANÇOS


É auspicioso ver a evolução de diversos organismos com, vistas às participações, diretas e indiretas, no 8o Fórum Mundial da Água. O protagonismo da CNA, ao mobilizar forças e congregar diversas instituições nos preparativos para esse relevante evento, faz florescer estratégicos intercâmbios, cujo alcance vai do local ao internacional. Nesta edição, celebra-se esse feito.

Ao iniciar esta edição com as visões esquemáticas da água no mundo e as do ciclo hidrológico, que ilustram a capa e seu verso, bem como de reportagens inspiradas nessas ações da CNA, cabe enfatizar que é no espaço rural que estão as condicionantes para a gestão integrada dos recursos hídricos, com boas práticas de conservação do solo e da água, de recarga dos aquíferos, de reservação superficial das águas, dentre outras. Dessa forma, estão nas mãos dos produtores as oportunidades de melhor disciplinar as águas, tanto as que precipitam, como as do fluxo hídrico ao longo do ano, para melhor atender aos seus usuários

Nessa linha, a Agência Nacional de Água (ANA), com muita felicidade, cunhou o “Produtor de Águas”, no início do milênio e, desde aquela época, tem estado presente junto à ABID, nesse persistente trabalho, em que permeiam importantes papéis desempenhados pelos produtores. Ao mitigar os perversos efeitos das enchentes e das secas, com mais água para impulsionar o ciclo hidrológico, produzir cada vez mais e melhor, essa casa dos produtores rurais brasileiros, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), mostra o que tem sido feito e os desafios a serem enfrentados para melhor aproveitar essa dádiva da natureza. A pluviometria, mesmo diante da sazonalidade, da irregularidade das chuvas e das desigualdades em sua distribuição, é um vetor que promove significativos ganhos socioeconômicos em qualquer lugar do País. Para isso, o planejamento e a gestão com base nos conhecimentos existentes, bem como nos contínuos trabalhos de pesquisa e inovações, aliados a exitosos empreendedorismos de produtores, com o desenvolvimento das indústrias de equipamentos e insumos para a agricultura irrigada e diversos outros serviços, precisam ser permeados, cada vez mais e melhor, em oportunidades como a do 8o Fórum Mundial da Água, dentre outras.

Por iniciativa da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), ao viabilizar a parceria anual da ABID com o Ceará, em 2017, reeditou-se a parceria de 2001, tendo a crise hídrica como denominador comum entre ambas, para motivar interlocuções, com o concurso de muitos daqueles que procuram estar nas fronteiras dos conhecimentos. Nesse envolvimento de instituições e pessoas, tratou-se também dos preparativos para o 8o Fórum Mundial da Água como descrito nesta edição. O que se busca nessas itinerantes parcerias anuais da ABID, é a prosperidade, tendo a segurança hídrica, alimentar, ambiental, energética e de negócios para os produtores, como a espinha dorsal para esse virtuoso caminho.

A água é vital na produção de alimentos e a agricultura irrigada, ao intensificar o uso dos fatores de produção ao longo do ano, fazendo cada vez mais com menos, tem um preponderante e crescente papel para melhor atender ao Brasil e às suas oportunidades nos mercados mundiais. Para os Fóruns Mundiais da Água, já realizados, sempre com grande destaque para o saneamento, cuja importância é indiscutível, fica oportuno enfatizar a agricultura irrigada como parceira do saneamento e revitalização dos corpos d’água, com a capacidade de utilizar águas servidas, incluindo as dos esgotos, depurando-as e devolvendo-as ao ciclo hidrológico, com geração de riquezas e empregos. Isso precisa ser devidamente considerado. Bacias Hidrográficas, a exemplo da do Rio São Francisco, que já atravessa décadas com decantadas iniciativas de revitalização, ao atentar para esses reúsos e aliar o rural ao urbano, bem como aos mais diversos empreendimentos que precisam ter seus dejetos devidamente depurados, têm todos os ingredientes para despertar interesses dos setores responsáveis pelo saneamento, que precisam atentar para esta oportunidade. Bons negócios, muita praticidade, um ganha-ganha, com edificantes desdobramentos.

Helvecio Mattana Saturnino
Presidente da Abid