A CAPA DA ITEM 114:

A composição dessa capa tem como objetivo provocar a todos. O negócio do melão, ao encontrar as favoráveis condições do Semiárido, já tem uma rica história de conquistas dos mercados interno e externo, ao fazer da água um vetor de marcantes transformações socioeconômicas com a agricultura irrigada. São empreendimentos que primam pelas melhores práticas e buscam interagir permanentemente com a linha de frente de P&D e as políticas voltadas para o setor. A foto de Paulo Dantas, da Agrícola Famosa, que será palco do Dia de Campo, no dia 6/10/2017, evidencia o fruto de captações de águas subterrâneas, investimentos em poços que variam de 100 a 800 m de profundidades, com avançadas tecnologias em sistemas e manejo dessa cultura irrigada. Ao mesmo tempo em que crescem as oportunidades de os brasileiros terem o melão para enriquecer suas dietas, vale também destacar que, com as divisas das exportações, temos recursos para a importação do trigo, que representa o pão, o macarrão, o dia-a-dia de todos. Aí, o leitor pergunta: e o trigo irrigado no Brasil? Visite abid.org.br e abra a ITEM 81.


EMPREENDER EM FAVOR DOS MELHORES NEGÓCIOS PARA UM EQUILIBRADO DESENVOLVIMENTO


Os negócios proporcionados pela agricultura irrigada configuram-se atrativos, mas requerem mais e mais conhecimentos, planejamento e gestão. Eis aí um permanente desafio brasileiro! Graças à gestão dos conhecimentos e às boas práticas, exitosos exemplos de produtores e arranjos produtivos e comerciais em torno da agricultura irrigada já podem ser vistos pelo Brasil afora. Um País considerado como o de melhores condições edafoclimáticas, com vantagens comparativas perante o mundo para fazer multiplicar esses empreendimentos, mitigar o perverso risco agrícola e dar expressivos saltos em produtividade, ainda irriga somente cerca de 10% do que a Índia ou a China irrigam, e cerca de 20% da área irrigada dos Estados Unidos.

Com uma estimativa de cerca de 6,2 milhões de hectares, estudos indicam que o Brasil tem o potencial de multiplicar por dez essa área irrigada. Com sabedoria, isso pode significar geração de riquezas e postos de trabalhos, melhores atendimentos aos mercados interno e externo, com um virtuoso e equilibrado desenvolvimento. Mas isso requer capacitação de pessoas, com os devidos enfrentamentos, caso a caso, fazendo permear resultados de pesquisas, inovações e toda a gama de conhecimentos das diversas interfaces que o negócio da agricultura irrigada tanto almeja.

As provocações, exemplos e inspirações que a história mundial da agricultura irrigada nos traz são decorrentes de aprendizados, frutos de erros e acertos, acompanhados de pesquisas, conhecimentos, planejamento e compromissos com a boa governança e a gestão, tanto no público como no privado.

Diante desse quadro, é auspicioso constatar o persistente trabalho do Instituto Inovagri, capitaneando articulações com os melhores cientistas mundo afora, envolvendo-os com este desafio brasileiro. Sob a liderança da Adece, a parceria Ceará-ABID, ao longo de 2017, encontrou uma natural convergência de interesses, com o concurso de várias universidades e outras instituições, como um berço para essa programação conjunta do IV Inovagri International Meeting, o III SBS e o XXVI Conird.

Esta edição 114 da ITEM, com a programação completa deste evento conjunto, conta com o concurso de uma plêiade de renomados cientistas internacionais, bem como de opções de Dias de Campo, junto aos produtores no Semiárido, no Ceará. Trata-se de um investimento estratégico para fazer florescer mais e mais intercâmbios com os brasileiros, com desdobramentos que precisam ser sabiamente aproveitados. Eis aí um bom desafio!

Para um equilibrado e dinâmico desenvolvimento socioeconômico, as articulações dos laboratórios ao campo, principalmente para estudantes da gra-duação e da pós-graduação, bem como de todos que fizeram a apresentação de quase mil trabalhos, é muito auspicioso constatar essa crescente vitalidade científica e tecnológica, com ingredientes para acompanhar, cada vez mais a almejada segurança hídrica, alimentar, energética, ambiental e, principalmente, a gestão integrada dos recursos hídricos, das Bacias Hidrográficas, com coerentes e estratégicas políticas de alocação das águas para atender à agricultura irrigada.

Helvecio Mattana Saturnino
Presidente da Abid