REVISTA ITEM - 101-102

Editorial - A RIQUEZA DA RESERVAÇÃO DAS ÁGUAS

Sempre com as motivações das diferentes regiões em foco, o processo de enriquecimento de um evento nacional, com provocativas inserções internacionais, persegue permanentes melhoramentos. Com a proposta de parceria formulada pelo Governo do Distrito Federal, durante as atividades de 2013, quando da parceria com a Bahia - foco na região Oeste desse Estado, com o aquífero Urucuia a motivar a todos ao longo do ano, descortinou-se, mais uma vez, a límpida e evidente pauta da reservação das águas, fazendo-as mais e mais produtivas para toda a sociedade. Em 2014, com a região do DF e a do seu entorno a evidenciar bons caminhos para avanços em favor do desenvolvimento da agricultura irrigada brasileira, são muitos os atrativos para bons negócios.

Para todo empreendimento há uma lógica, uma dinâmica e as mais diferentes escalas. Daí os cuidados para que haja diversos questionamentos, ano a ano, nas itinerantes parcerias da ABID, desde a virada do milênio. Diante das fantásticas vantagens comparativas brasileiras, é imperioso permear que, da pequena horta aos grandes empreendimentos, arranjos produtivos e comerciais os mais diversos, com base na agricultura irrigada, fazem despertar o diferencial da água como vetor de prósperos negócios.

Cabe ao produtor a tomada de decisões, mas compete a todo o universo daqueles que militam com as Ciências Agrárias, bem como aos formuladores das políticas, entender o alcance socio-econômico e ambiental dos negócios com base na agricultura irrigada. Dessa forma, trazer à baila a provocativa programação do XXIV Conird, fruto de muitas cooperações e de construtivos comprometimentos de pessoas que se dedicam a lograr mais prosperidade, é muito oportuno.

Na reservação e alocação das águas para a agricultura irrigada são muitas as reflexões, desde a coleta de chuvas nos telhados, com o cálculo do aproveitamento da água disponível,incluindo do a do reúso, o que se podem fazer em favor da melhor nutrição humana é incomensurável. Aí está um amplo universo a ser devidamente trabalhado por todos. Desde a pequena horta, passando pelos cultivos protegidos e por todas as escalas de produtores, há muito a ser feito com a produtividade da água.

Com diferentes escalas, os empreendimentos em cultivos protegidos fascinam o mundo. Como dependem totalmente da irrigação/fertirrigação, precisam ser cada vez mais conhecidos e estudados. Nas interlocuções ao longo de 2014, com especial interesse e empenho da presidência da Embrapa e diversos cooperadores, ter-se-á o exemplo de Almeria, na Espanha, bem como exemplos nacionais e da América do Sul, que tratam do negócio dos cultivos protegidos, bem como da reservação das águas, que é uma pauta mundial.

Os efeitos multiplicadores das barragens de terra, aliados às boas práticas de conservação dos recursos naturais, estarão sendo tratados em toda a programação do XXIV Conird. As demonstrações práticas, já por mais de décadas, evidenciam a melhor regularização do fluxo hídrico, a gestão compartilhada das bacias hidrográficas, a segurança hídrica e alimentar, e melhores abastecimentos de fibras e biomassas para os mais diversos fins.

Independentemente das escalas, dos portes dos produtores, essa é a programação do XXIV Conird. Que seja mais um bom negócio para todos!



Helvecio Mattana Saturnino
Presidente da Abid