REVISTA ITEM - 100

Editorial - É MUITO SÁBIO E PRUDENTE RESERVAR AS ÁGUAS

As águas emendadas, que estão a montante e proporcionam rápido fluxo hídrico para compor as Bacias Hidrográficas que desaguam no mar, fazem da região do Distrito Federal e seu entorno uma rica provocação. As condições edafoclimáticas das regiões mais altas são favoráveis para o cultivo de uma ampla e significativa gama de produtos, com um invejável leque de oportunidades de negócios ao longo de todo o ano.

O grande mote está na gestão da chuva que cai e na prudência de segurar seus excessos e usá-los com sabedoria. Daí o tema de 2014: “A Reservação e Alocação das Águas para a Agricultura Irrigada”. Os exemplos de represas a montante, com efeitos multiplicadores na agricultura irrigada, e as garantias e os melhoramentos do fluxo a jusante estão nesta edição e serão, com diversos outros exemplos, motivos de apresentações, aprendizados, debates e muitas reflexões ao ensejo da realização do XXIV Conird.

A recarga dos aqüíferos e o manejo com vistas à melhor conservação do solo e da água têm, com a construção de pequenas e médias barragens, com projetos de devidas responsabilidades técnicas, a outorga com as garantias para vazões a jusante, investimento de incomensurável alcance socioeconômico e ambiental.

Todas as arestas, porventura existentes ou que estão sendo arquitetadas, que venham contra essa lógica, precisam ser debatidas e devidamente aparadas. Diante das prioridades pelo uso da água, salta aos olhos o abastecimento das cidades e a sedentação dos animais. Mas a água é vital na produção de alimentos e as crescentes demandas estão a exigir muita sabedoria, para que haja segurança alimentar e o Brasil desempenhe o papel que lhe é reservado para o abastecimento interno e para o atendimento às necessidades mundiais, com negócios que podem trazer crescentes prosperidades.

Tratar do uso harmônico e equilibrado da água significa saber reservá-la e alocá-la, exercitando todas as interfaces existentes. É estimulante verificar o quanto pode ser feito com as energias eólica, solar, atômica, de biomassas e mesmo das termoelétricas, com o claro entendimento do quanto representa o metro cúbico de água na produção de alimentos e/ou biomassa e o quanto representa ao passar por uma turbina de uma hidrelétrica. A sábia diversificação da matriz energética, além da maior segurança para o setor, traz à baila as vantagens comparativas com alocações negociadas da água. O Brasil é abençoado por essas maravilhosas perspectivas futuras.

O maior desafio está no bom entendimento do alcance da utilidade pública dessa reservação das águas, principalmente com muitos estímulos e praticidade, com as necessárias e imprescindíveis responsabilidades técnicas, sempre respaldadas por mais e mais capacitação de pessoas e foco na boa gestão. O histórico das precipitações anuais pelo Brasil afora é uma riqueza. A irregularidade e a sazonalidade dessas chuvas fazem da reservação e da alocação das águas um desafiante tema, com edificantes exemplos, muitos já em prática há anos, fazendo multiplicar inúmeros benefícios com o desenvolvimento da agricultura irrigada.

Ao tratar, a ITEM 100, de um tema com essa envergadura é amalgamar, em uma edição, um assunto que inquieta e permeia parcerias pelo Brasil afora, desde as provocações ao ensejo da virada do milênio. Que seja um marco para bons avanços em favor da agricultura irrigada.

Esta edição da ITEM de número 100 tem como propósito enriquecer esse debate e trazer subsídios e provocações para os trabalhos do XXIV Conird, de 7 a 12/9/2014, motivando a todos com exemplos, oportunidades e desafios da região do DF e seu entorno.



Helvecio Mattana Saturnino
Presidente da Abid